domingo, 26 de outubro de 2008

O Pecado de Kundera?

Miroslav Dvoracek

Nesta tragédia da vida real são quatro os protagonistas: Miroslav Dvoracek, ex-piloto do exército Checoslovaco, na altura espião dos EUA; Iva Militka uma jovem estudante e seu noivo Dlask (mais tarde seu marido); e Milan Kundera, comunista, ao que parece “controleiro” da residência estudantil.

Tudo se terá passado com a naturalidade de uma "brincadeira": Iva encontrou Miroslav. Este contou-lhe que vira na Alemanha um seu ex-namorado e, pediu-lhe para guardar uma maleta. Seguidamente, Iva contou ao seu namorado o encontro com Miroslav. Este, por seu turno terá informado o “controleiro”, Kundera, que terá entrado em contacto com a polícia.

Dvoracek foi, preso e condenado a 22 anos. Cumpriu 14, durante esse tempo trabalhou como um escravo nas minas de urânio. Depois foi libertado e, hoje, vive nos EUA. Nunca suspeitou que o autor da denúncia seria Kundera.

Um ditado popular, da época comunista, dizia que quando três checos se encontravam, dois deles eram informadores… Kundera, dedica muitas páginas à delação. Havia toda uma vasta gama de razões desde as “puras” (uma mente formatada pela propaganda ideológica está limitada) até às “impuras” (normalmente, relacionadas com o “sucesso pessoal”: ascensão no partido, emprego garantido perto de casa, apartamento maior, acesso a determinado produto ou loja…).

Penso, que as “secretas” procuraram que de alguma forma todos, absolutamente todos, num momento ou noutro estivessem implicados nesta actividade: verificar se os residentes de uma determinada casa eram efectivamente, aqueles que lá estavam registados; verificar se não existiam sinais exteriores de riqueza… Por vezes, para iniciar uma “relação” era pedido algo de inegável, porque inócuo: traduzir algumas páginas de um jornal estrangeiro, por exemplo.

Ninguém está a salvo destas suspeitas: Stanisław Wielgus foi forçado a resignar ao cargo de arcebispo de Varsóvia (a menos de uma hora da cerimónia) devido a suspeitas de colaboração com a Służba Bezpieczeństwapolícia secreta polaca; Lech Walesa, o lendário dirigente do Solidariedade (Solidarnosc), também não escapou aos tentáculos da história e, apesar do seu papel de dirigente sindical nos estaleiros de Gdansk e, de ter contribuído, como poucos, para o colapso do comunismo real, nem ele escapou à suspeita de ter colaborado com a secreta.

As sombras do passado caem, hoje, pesadamente sobre os protagonistas do presente. E tal como no passado, a suspeição pode ser uma arma de arremesso pronta a cair em qualquer momento.

3 comentários:

Filipe de Arede Nunes disse...

A JSD Seixal lança hoje um novo projecto: a JSD Seixal TV.

Veja tudo em: www.juventudeseixal.blogspot.com

Cumprimentos,
Filipe de Arede Nunes

Anónimo disse...

Os professores estão a ser prejudicados com a colagem do Bloco de Esquerda aos movimentos... diz não à partidarização do nosso movimento!! Para os professores ter amigos como estes, ficam sem precisar de inimigos. O problema não é vote à esquerda ou à direita. O Problema é que não vote em oportunistas que sobem a terreiro sempre que lhes cheira votos. Populismo

Anónimo disse...

um tema interessantissimo que pode um dia ajudar a descobrir muita coisa no Seixal . talvez se faça a historia da celula PCP nos outros partidos aqui no seixal e se entenda o que se passa que ao nivel do desenvolvimento da democracia que é uma vergoha. e nao falo de chibos mas sim de uma celula organizada inacreditavel. em todas as freguesias é uma hiostoria antes do 25 de Abril que tem a ver com a clandestinidade e até com alguns que tendo-se chibado á pide nessa altura porque nao aguentaram a pressão estão a pagar para todo o sempre porque o PC sabe quem são. uma historia digna de um livro mas que envergonha a democracia e defrauda os eleitores e até subverte o Estado .