sexta-feira, 17 de julho de 2009

Uma morte anunciada

A jornalista e activista dos Direitos Humanos, Natalya Estemirova é a última de uma longa cadeia de assassinatos políticos que têm vitimado outros "incómodos" cidadãos, incapazes de se conformarem com as práticas de rapto, tortura e homicídio levadas a cabo por grupos "não-identificados" na Rússia e em outras repúblicas ex-soviéticas.
Em Outubro de 2007, Natalya Estemirova fez (aqui) o elogio fúnebre de Anna Politkovskaya e, desde então era considerada a sua sucessora pois, pelo seu trabalho expôs os métodos brutais usados pelo regime checheno para manter o controle desta república. Esta semana foi raptada e morta a tiro. Os seus assassinos passaram por vários controlos fronteiriços antes de jogarem fora o seu corpo na borda da estrada duma república vizinha...
Agora, Kadyrov preocupa-se por estar a ser acusado de fomentar este crime. Medvedev foi forçado a lamentar a morte e a elogiar o seu trabalho. A administração Obama diz-se "triste"... a Europa condena. Enfim, mais um crime que se arrastará até ficar sem castigo, nem responsáveis ...
____
Vd The Economist sobre a situação no norte do Cáucaso

1 comentário:

Carolina disse...

eu penso que a Europa condena de uma forma mt "politicamente correcta" uma paz podre...acho que nos devíamos(nós Europa) pronunciar mais sobre estas atrocidades!