quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Seixal: a (in)segurança é notícia


"Ontem foram assaltadas cinco residências na estrada dos Foros da Amora, no Seixal. A PSP da Cruz de Pau está a investigar os assaltos que terão sido concretizados pelos mesmos indivíduos e que ocorreram na ausência dos moradores." in, CM

"Seixal, 09 Set (Lusa) -- O proprietário de uma ourivesaria de Corroios, no Seixal, foi hoje atingido a tiro num ombro durante um assalto, mas a sua situação é considerada estável, informou hoje fonte policial" in, RTP

"Enquanto o PCP sublinha o clima de insegurança e a necessidade de mais policiamento, a CDU Seixal recusa liminarmente a criação de uma Policia Municipal [proposta pela JSD] num concelho onde a criminalidade violenta tem crescido e criado um clima de prepotência e insegurança generalizada." in, a-sul


4 comentários:

Filipe de Arede Nunes disse...

Não acredito que a Câmara Municipal do Seixal avance agora para a concretização desta proposta da JSD Seixal. Seria reconhecer a bondade e qualidade da proposta. O PC não é capaz de o fazer!

Cumprimentos,
Filipe de Arede Nunes

Anónimo disse...

O qu'isto chegou as pessoas já são baleadas nas esquadras da Policia... Já ninguém tem respeito à policia, e a culpa disto tudo é dos comunistas que não criam a policia municipal do Seixal, tenho a certeza que se a policia municipal do Seixal já existisse não havia assaltos às bombas de combustiveis, ou tiros nas esquadras da policia...
Agora sem a policia municipal nada se resolve...

Manuel Acácio disse...

Finalmente descobri para que serve a policia municipal:
Polícia Municipal multa carro da Brigada de Trânsito
GNR autuou veículos da Câmara e esta "respondeu" da mesma forma
2008-08-20
GINA PEREIRA
Uma operação da Brigada de Trânsito da GNR, segunda-feira, em Vila Nova de Poiares, está na origem de uma situação insólita: a "mando" do presidente da Câmara, um militar da BT foi identificado pela Polícia Municipal.

O caso aconteceu por volta da hora de almoço, quando militares do Grupo de Acção e Conjunto (GAC) da BT - que tem sede em Lisboa, mas actua por todo o país - procediam a uma operação de fiscalização numa rotunda à saída da localidade, no acesso à Estrada Nacional 2 e 17, tendo estacionado um dos automóveis (uma VW Sharan) em cima do passeio.

Um dos visados pela acção dos militares foi um veículo de transporte de mercadorias ao serviço da autarquia - "apanhado" a entrar numa via interdita a pesados e outro que acabou por ser multado por estar a derramar óleo - e a resposta do Município não tardou: passado pouco tempo, um agente da Polícia Municipal (PM) passou pelo local e identificou o militar que conduzia o veículo da BT, com vista à posterior elaboração de um auto pelo facto de o ter estacionado em cima do passeio.

A actuação da PM é confirmada ao JN pelo presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Poiares, Jaime Soares, que recusa que se tenha tratado de uma retaliação. "Não tem nada de anormal. Cada um tem as suas competências. A PM funcionou exactamente como a BT, zelando pelo cumprimento da lei. Os exemplos devem vir de cima", disse, admitindo ter dado ordens à PM para "fazer cumprir rigorosamente a lei", recorrendo, caso necessário, ao reboque da viatura da BT.

A revolta de Jaime Soares é ainda maior pelo facto de os militares da GNR terem "ignorado" o facto de o veículo ao serviço da Câmara ter uma "autorização especial" para circular na dita via, interdita a pesados. O autarca alega que, tratando-se de uma estrada municipal, "compete ao presidente da Câmara autorizar a circulação em condições excepcionais", como diz ser o caso: o veículo em causa ia recolher uma máquina de arrasto que estava a proceder à limpeza de estradas, facto explicado aos militares por um encarregado da autarquia. De acordo com o autarca, esta acção de fiscalização à saída da localidade seguiu-se a uma primeira operação stop numa das principais praças da vila, em dia de feira, coisa que diz nunca ter visto. "Quem passava parava. E uma boa parte deles eram multados, quase a eito", disse, acusando a BT de "nítida caça à multa". Para Jaime Soares, estão em causa "instruções superiores do poder político" com vista a "equilibrar o défice e a fazer crescer as verbas para o próximo Orçamento de Estado", ou mesmo uma "perseguição ao presidente da Câmara" por ser uma pessoa "politicamente incorrecta".

Embora compreenda que "ninguém está acima da lei", Jaime Soares considera que "as leis não são qualquer coisa abstracta. Têm de ter vida, humanismo, sentimentos, e isso transmite-se através de sensatez", que diz não ter existido na acção de anteontem.

Ao JN, o porta-voz da BT, major Lourenço da Silva, confirmou que um militar da GNR que participava na operação foi identificado por um agente da PM de Vila Nova de Poiares, mas recuou-se a comentar o caso. Explicou que se tratou de uma operação de fiscalização normal e negou que tenha havido qualquer "caça à multa", explicando que foram levantados apenas três autos. Sobre a autorização especial invocada por Jaime Soares, diz que essa excepção teria de estar patente num painel adicional, localizado por baixo do sinal de trânsito.

Ou seja serve para os presidentes de Câmara do PSD mandarem multar os carros da policia que multaram os carros da câmara...

Grande utilidade, não há dúvida!!!

Viva o boletim municipal, abaixo a cretinice!!!

Anónimo disse...

Se houvesse policia municipal no Seixal, o homem tinha ficado preso, ai tinha, tinha:::
Homem que disparou na esquadra aguarda julgamento em liberdade
O homem que terça-feira feriu gravemente um outro com três tiros dentro da esquadra da PSP de Portimão vai ficar a aguardar o julgamento em liberdade, mas proibido de abandonar o concelho"

A Culpa da insegurança não há dúvida que é do PCP...